sábado, 15 de dezembro de 2018

CORRIDAS À 6ª FEIRA - SÃO BRÁS DE ALPORTEL - 14-12-2018

Excelente. Organização, no terreno, do grupo de caminhadas "São Brás a Caminhar", mobilização de voluntários (22 entre os quais 12 ciclistas), colaboração prestimosa da Junta de Freguesia, com cedência de instalações e a presença do seu Presidente João Rosa, colaboração do vereador Acácio Martins, presente até ao final, auxiliando na contagem das presenças e no encaminhamento dos corredores, repasto final com água, fruta, chá e bolos (oferta da Mónica Guerra Mendonça), enfim uma possibilidade infinita de elogios a que se juntam a excelência e beleza do percurso, duro quanto baste, mas com todos os ingredientes, da estrada aos trilhos. A proliferação de jantares de natal e de visitas para compras aos centros comerciais não proporcionaram grande assistência. Apesar de tantos condicionalismo estiveram em São Brás, incluindo voluntários, 111 campeões.
Obrigado ao Sesinando pelo transporte. Sem ele não seria possível a reportagem que podem ver AQUI.

quarta-feira, 12 de dezembro de 2018

FARO, PEGADAS À 4ª FEIRA - 12-12-2018

O António Santos resolveu, apelando mais uma vez à sua imaginação prodigiosa, qual produtor televisivo, inventar um concurso para o melhor caldo verde cozinhado por alguns ou algumas elementos do Pegadas à 4ª feira. Não sei se na cabeça dele o importante era descobrir a melhor receita, premiando-a, ou então ter, no final, algo que aquecesse os corpinhos depois do percurso por Faro numa noite gélida. Fica a dúvida se a intenção era simplesmente lúdica ou interesseira. Fiquemos pela primeira hipótese já que o julgamos um homem de uma lisura e desinteresse digno de nota, ou não fosse ele um dos voluntários excelentíssimos do nosso Algarve. Ou então, o sádico António, criou nos subconscientes aquilo que os humanos têm de melhor, ou pior, a vontade de ficar à frente dos outros. Mas o António, sabichão, resolve e muito bem, para não ferir susceptibilidades, nem exacerbar egos, sortear três prémios sem cuidar de saber qual o melhor caldinho. Nós que somos pouco esquisitos com a comida, provámos todos e a minha classificação, se tal me fosse pedido, seria: ganhavam todos, todos diferentes, todos divinais.
Caldo Verde é uma receita tradicional portuguesa e nós que somos uns "trambolhos" a cozinhar e em que a cozinha é a divisão pior da casa - por isso fugimos dali a 7 pés - e que só sabemos fazer umas paupérrimas sandes, resolvemos dar a nossa contribuição ao António. Não cozinhámos caldo verde, mas pesquisámos na Net uma receita para quem também é "trambolho" como nós. Aqui fica: 
– 500 gramas de batatas
– 2 litros de água
– 200 mililitros de azeite
– 1 cebola
– 2 dentes de alho
– 450 gramas de couve portuguesa cortada finamente
– Sal q.b.
– 1 chouriço ou salpicão
Preparação:
– Descasque as batatas, os dentes de alho e a cebola. Lave-os e corte-os em pedaços pequenos para cozerem mais rápido.
– Coloque os ingredientes numa panela ao lume com a água, o sal e metade da quantidade de azeite indicada durante 25 minutos, ou até as batatas estarem bem cozidas. Se quiser um sabor mais intenso, pode colocar duas ou três rodelas de chouriço ou de salpicão também a cozer.
– Enquanto os ingredientes estão a cozer, lave a couve e parta-a em Juliana, mas muito fina.
– Quando os ingredientes da panela estiverem todos cozidos, triture-os com a ajuda de uma varinha mágica. Leve-os novamente ao lume.
– Junte a couve ao preparado anterior e deixe-a cozer durante 15 minutos.
– Enquanto a couve estiver a cozer, pode ir cortando o chouriço ou o salpicão às rodelas.
– Se quiser a sopa com o aspecto tradicional, deve servir em malgas individuais, mais conhecidas como tigelas.
O percurso foi uma visita às iluminações de Natal de Faro com passagem pela Estradinha Funda. Tudo normal, como sempre uma boa escolha, com presença já habitual de muitos. 
Nesta época natalícia, não era a corrida que contava. O caldo verde marchou, o quejinho correu, o vinho deslizou, os barretes do Pai Natal brilharam na noite gélida de Faro. A barraca da Câmara Municipal, emprestada ao Pegadas, por influência do António, foi um porto de abrigo satisfatório.
As fotos estão AQUI.

JOÃO ALCANENA


O João Alcanena é um técnico ligado à área do desporto no Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ). 
O João assistiu ao nascimento, protagonizado pela Profª Amélia Elias, desse extraordinário programa de marcha/corrida no Algarve, velhinho de mais de 30 anos, mas ainda pujante e muito longe do seu término. O João contribuiu e muito pela sua implantação no âmbito da antiga DGD, depois IDP e agora IPDJ. O João não é uma pessoa qualquer. É um homem dedicado ao desporto, à prática do exercício físico e um enorme dinamizador do Programa Nacional de Marcha/Corrida na sua vertente Calendário Regional do Algarve.
Ontem, dia 11 a mãe do João faleceu. 
Sabemos o desvelo, amor e preocupação que o João teve para com aquela a quem ele chamava a sua Princesa e que se encontrava acamada e a necessitar de ajuda constante. Não nos deteremos em pormenores sobre a forma com o João tratou e acompanhou a mãe, nos últimos anos, porque podemos estar a entrar na sua esfera privada. Mas podemos revelar, porque acompanhámos e testemunhamos, a profunda admiração que sentimos por este filho, e que, com o seu exemplo de enorme amor filial, contribuiu para que encarássemos a relação com a nossa própria mãe (velhinha de 90 anos) de forma ainda mais atenciosa e sensível.
Obrigado JOÃO ALCANENA pelo teu exemplo.
O blogue dos marchantes está solidário contigo nesta hora triste para ti. Estaremos presentes no funeral da tua Princesa amanhã, dia 13-12-2018, às 11H00, na Igreja Pé da Cruz em Faro. 

terça-feira, 11 de dezembro de 2018

PRÓXIMA MARCHA DO CALENDÁRIO REGIONAL - ALBUFEIRA - 16-12-2018 - 10H00




Transcrevemos comunicação da Câmara Municipal de Albufeira:
"A concentração para a partida da Marcha Corrida será como habitual no mercado municipal dos Caliços.
A todos os participantes será oferecido pelo nosso município uma pequena lembrança constituída por uma t’shirt, um gorro do pai natal, um saco mochila e um doce.
A Marcha Corrida terá como cenário a linda cidade de Albufeira, passando por alguns locais mais característicos.
Esperamos a presença de perto de 1000 pessoas de toda a região, tal como tem acontecido em anos anteriores".

CORRIDAS À 6ª FEIRA - SÃO BRÁS DE ALPORTEL - 14-12-2018

Evento: 280º
Data: 14.12.2018
Local: São Brás de Alportel
Grau dificuldade: MÉDIO
Ponto de encontro: Na Junta de Freguesia de São Brás de Alportel
Latitude: 37° 9'20.62"N
Longitude: 7° 53'14.66"W
Luz: é FUNDAMENTAL (leia-se: obrigatório)
Colete refletor: é FUNDAMENTAL
Vai haver 1 percurso, de 10km, com grau de dificuldade MÉDIO em termos de acumulado de subida.
Os percursos VÃO ESTAR sinalizados nos cruzamentos com placas ou sticks reflectores. Mesmo assim é importante que veja o percurso nos links acima indicados e que coloque todas as dúvidas que tenha com a devida antecedência.
TODOS DEVEM LEVAR UM MEIO DE ILUMINAÇÃO (leia-se "obrigatório")
Grande parte do percurso desenrola-se em zona não iluminada, por isso é FUNDAMENTAL que cada participante leve lanterna ou foco na cabeça.
CARROS E COLETES REFLECTORES:
Os percursos passam em zonas de estrada com trânsito, pelo que o uso do colete reflector é recomendado;
Ninguém irá caminhar ou correr sozinho. É garantia que ficará sempre alguém a acompanhar aquele(s) que forem mais lento(s). Repetimos, ninguém irá correr sozinho;
Este é um evento aberto a todos os que queiram fazer exercício físico num local e hora onde normalmente não se atreveriam a ir sozinhos. Por isso, nada de receios em enfrentar esta distância. Repito, ninguém irá correr sozinho;
Quem quiser é livre de trazer algo comestível ou bebível para partilhar e encerrar o evento em grande convívio;
Todas as sugestões são bem-vindas. Participem, divulguem e desfrutem destes eventos.
(Luís Santos)

domingo, 9 de dezembro de 2018

MARCHA DE ALVOR - DIREITOS HUMANOS - 09-12-2018


A 10-12-1948 a ONU resolve adoptar a Declaração Universal dos Direitos Humanos que estabelece os direitos básicos dos cidadãos, depois de um período em que muitas barbaridades foram cometidas durante a 2ª guerra mundial e especialmente pela Alemanha nazi. O Secretário Geral das Nações Unidas encarrega o canadiano John Peters Humphrey de esboçar um documento que seria a estrutura dorsal, depois de analisado e completado por representantes de inúmeros países, do que ficaria conhecido com a Declaração Universal dos Direitos Humanos. Este documento não tem características oficiais nem assumiu a forma de lei, mas foi adoptado por muitos países nas suas Constituições. É essa importante declaração que agora faz 70 anos, que estivemos a homenagear com esta marcha de Alvor. Simultaneamente decorrem em cerca de 40 nações mais de 170 eventos comemorativos da data. Em Portugal, além da nossa marcha decorreram marchas semelhantes em Braga, Coimbra, Odivelas e Portalegre. 
Em Alvor tivemos, mais uma vez, uma excelente marcha, num local paradisíaco, com passagem pelo belíssimo passadiço, que como todas outras do nosso calendário, além de serem um hino à pratica do exercício físico, são também uma manifestação de unidade, camaradagem e respeito pelos outros, integrando-se no espírito que preside à Declaração que homenageámos. 
Portimão mobilizou-se em força, com 12 colaboradores da Câmara Municipal, 13 do corpo de escoteiros e ainda 10 elementos do IPDJ.
O aquecimento inicial foi feito pela Liliana de forma competente e muito divertida.
A presença do Presidente do IPDJ, Vitor Pataco, da Presidente da Câmara Municipal, Isilda Gomes e do Director Regional do Algarve do IPDJ, Custódio Moreno vieram dar um cunho oficial a este aniversário. Temperatura excelente sol radioso contribuindo para o enorme sucesso desta marcha.
As fotos de hoje estão AQUI.

sábado, 8 de dezembro de 2018

CORRIDAS À 6ª FEIRA - BOLIQUEIME - 07-12-2018

Regressar a um lugar onde fomos muito felizes, onde tivemos muitas 5ªs feiras de alegria e sã amizade, é sempre bom. 
O dia hoje foi longo. Nunca mais chegava a hora de partir em direcção ao micro-cosmos que é Boliqueime. Aquela localidade não é como as outras. Sofre do síndroma de Reynaud, uma patologia em que os médicos não encontram uma causa plausível. A população diversificada, em que um grupo muito unido se junta em redor da tradição da aldeia, outro grupo residente afastado destes apesar da origem comum, alguns locais quase interditos invadidos por gentes remotas e desconhecidas, bares e restaurantes cuja língua autorizada é o inglês, caminhos e veredas de propriedade comum, mas cujos vizinhos se julgam donos praticando um isolacionismo exagerado, árvores de fruto pendentes sobre muros que levam os passantes a estender a mão deleitando-se com os frutos, acusações de roubos desses mesmos frutos pelo mais bem frequentado grupo informal de marcha e corrida, o que originou um dos momentos mais hilariantes da curta vida do Bolis, eliminação de marcações e roubo de setas e fitas provocando enganos lamentáveis, uff!...que parágrafo tão longo, tudo isto tem Boliqueime, terra de contrastes. Mas Boliqueime tem também o Bolis Walk & Run, que teima em não cair no esquecimento, cujas camisolas ainda salpicam muitas das marchas que proliferam no Algarve. Grupo quase matriarcal, em que os homens colaboravam a espaços e em que as mulheres decidiam e realizavam. Grupo que terminou como organizador semanal de eventos e que passou a organizador anual do Corridas à 6ª Feira. 
Ainda bem que este grupo teima em não morrer. Assim, a espaços, podemos reviver amizades, brincar com o passado, recordar velhos tempos. E hoje fizemos isso, recordámos, com a Sónia Filipe, tempos remotos, mas ainda presentes, indelevelmente, no mais recôndito escaninho da nossa memória.
Hoje foi mais um dia em que enchemos o coração de sangue arterial bem oxigenado. Obrigado aqueles e aquelas que teimam em manter vivo um grupo que foi uma referência no exercício físico no Algarve. 
Organizaram hoje uma marcha/corrida bem interessante. Marcações irrepreensíveis, percursos (um grande de 13Km e outro mais pequeno de 8 km) bem esgalhado, de grande beleza e aplaudido por todos, acompanhado de calor humano quanto baste, apesar da noite gélida. E ficámos por lá até ao dia seguinte (já passava da meia noite) conversando e rindo, manducando as mais diversas vitualhas, com vontade de não regressar a penates. 
Envolvidos nesta organização 17 voluntários, alguns vindos de outros locais do Algarve, como a Cristina, o Jacinto, a Paula, a Anisabel e os habituais elementos do Bolis sempre prontos a colaborar. Foi lindo.
Vejam as fotos AQUI.

quarta-feira, 5 de dezembro de 2018

FARO, PEGADAS À 4ª FEIRA - 05-12-2018

O Pegadas ziguezagueou pelo Montenegro. O António baptizou o evento e bem. Foi mesmo um zigzag constante. 
Mas hoje, também nós temos um certo ziguezaguear na nossa cabeça. Vamos desabafar e desde já nos penitenciamos (por insuficiência de clareza de raciocínio) por alguma interpretação errada que alguns poderão fazer do que vem a seguir.
Vejamos. O grupo Pegadas à 4ª Feira é um grupo que consideramos excepcional, pela sua liderança, pela imaginação colocada nos percursos, pela amizade e camaradagem entre os seus elementos e pela adesão massiva de cada vez mais pessoas, o que é sumamente agradável. Mas, como tudo na vida, há sempre algo a melhorar. Vamos apontar dois pontos que reputamos dignos de melhoria.
1 - A foto de grupo. É muito importante que se mostre a quem consulta as fotos a dimensão de um evento. A foto de grupo pretende ter um efeito de propaganda, levando a que muitos adiram à prática do exercício físico, finalidade principal da existência destes grupos informais. Ora cada vez mais se torna difícil reunir as pessoas para essa foto. Pede-se, grita-se, solicita-se a que se juntem e muitos não ouvem, não querem ou não se interessam. Espalham-se por um espaço enorme, sem cuidarem de perceber que enquadrar tanta gente exige que os espaços sejam limitados. Assim, aqui o miserável escriba e péssimo fotógrafo, solicita, encarecidamente, que lhe possibilitem a tal famosa foto sem que fique rouco de tanto gritar. É que as nossas cordas vocais já têm 71 anos e não se compadecem com exageros inúteis. 
2 - O António Santos faz e muito bem, antes da partida, um breve intróito, explicando o que vamos fazer e dando algumas notícias interessantes sobre eventos futuros e explicações que entende serem úteis. O António Santos, pelo que tem feito pelo grupo, pela imaginação, pela dedicação, merece que todos o escutemos com atenção e em silêncio. E isso não se verifica. Enquanto o António fala e, apesar de usar um megafone, só é ouvido pelos que estão na primeira fila, tal o "chinfrim" que anula e abafa as suas palavras. O António é um voluntário valoroso, que utiliza muitas horas por semana a fazer, sem qualquer remuneração, serviço publico. O António merece respeito. Oiçam-no, por favor. Não custa nada.
Agora podem bater no Jorge Lopes pelo que ficou escrito. Ele não se importa. O que importa é o Pegadas continuar forte, pujante, trazendo cada vez mais gente para a prática desta actividade tão salutar. Hoje foram 165. Abraços aos meninos e beijinhos às meninas.
As fotos estão AQUI e são grátis, com prazer e grande amizade.

MARCHA DE ALVOR PELOS DIREITOS HUMANOS - 09-12-2018 - 10H00

O Instituto Português do Desporto e da Juventude, em parceria com a Câmara Municipal de Portimão e a Junta de Freguesia de Alvor organizam no próximo dia 9 de dezembro a “1ª Marcha/ Corrida pelos Direitos Humanos”, composta por uma prova de corrida com 9km e uma caminhada dos 0 aos 100 anos com a distância de 5km. Todas as provas são com carácter aberto, inclusivo e gratuitas mas carecem de inscrição prévia. 
Trata-se de uma iniciativa no âmbito da celebração dos 70 Anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos e dos 40 Anos da Adesão de Portugal à Convenção Europeia dos Direitos Humanos, 
Corridas semelhantes em Braga, Coimbra, Odivelas, Portalegre e Portimão.
O lema “Livres e Iguais” visa promover a consciência pública sobre a importância decisiva dos direitos humanos numa sociedade livre e democrática, tanto ao nível da opinião pública em geral como em relação a alvos privilegiados, como as crianças e a população jovem, e sobre a sua concretização e especificidade no que se refere a grupos historicamente desfavorecidos, como as mulheres.

terça-feira, 4 de dezembro de 2018

PRÓXIMA MARCHA DO CALENDÁRIO REGIONAL - ALVOR - 09-12-2018

MARCHA/CORRIDA EM ALVOR DIA 9 DE DEZEMBRO - TODOS PELOS DIREITOS HUMANOS
A Câmara Municipal de Portimão a Junta de Freguesia de Alvor e o Instituto Português do Desporto e Juventude, organizam a 1ª Marcha / Corrida pelos Direitos Humanos, uma Iniciativa no âmbito da celebração dos 70 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos e dos 40 anos da Adesão de Portugal à Convenção Europeia dos Direitos Humanos.
Um evento de carácter aberto a todos, dos 0 aos 100 anos inclusive, de participação gratuita, mas que solicitamos a sua inscrição previa.

CORRIDAS À 6ª FEIRA - BOLIQUEIME - 04.12.2018

Evento: 279º
Data: 07.12.2018
Local: Boliqueime
Grau dificuldade: MÉDIO
Ponto de encontro: No largo da Igreja Matriz de Boliqueime (ver foto)
Latitude: 37° 7'59.56"N
Longitude: 8° 9'32.97"W
Luz: é FUNDAMENTAL (leia-se: obrigatório)
Colete refletor: é FUNDAMENTAL
Vai haver 2 percursos, de 13km e 8km, com grau de dificuldade MÉDIO em termos de acumulado de subida.
Os percursos VÃO ESTAR sinalizados nos cruzamentos com placas ou sticks reflectores. Mesmo assim é importante que veja o percurso nos links acima indicados e que coloque todas as dúvidas que tenha com a devida antecedência.
TODOS DEVEM LEVAR UM MEIO DE ILUMINAÇÃO (leia-se "obrigatório")
Grande parte do percurso desenrola-se em zona não iluminada, por isso é FUNDAMENTAL que cada participante leve lanterna ou foco na cabeça.
CARROS E COLETES REFLECTORES:
Os percursos passam em zonas de estrada com trânsito, pelo que o uso do colete reflector é recomendado;
Ninguém irá caminhar ou correr sozinho. É garantia que ficará sempre alguém a acompanhar aquele(s) que forem mais lento(s). Repetimos, ninguém irá correr sozinho;
Este é um evento aberto a todos os que queiram fazer exercício físico num local e hora onde normalmente não se atreveriam a ir sozinhos. Por isso, nada de receios em enfrentar esta distância. Repito, ninguém irá correr sozinho;
Quem quiser é livre de trazer algo comestível ou bebível para partilhar e encerrar o evento em grande convívio;
Todas as sugestões são bem-vindas. Participem, divulguem e desfrutem destes eventos.
(Luís Santos)

domingo, 2 de dezembro de 2018

MARCHA DE BENSAFRIM - 02-12-2018

O Presidente da União de Freguesias de Bensafrim e Barão de S. João, Duarte Nuno, liderou a organização de uma marcha/corrida exemplar, quer pela quase perfeita realização, quer pelo percurso escolhido de uma beleza extrema. Paisagens belíssimas num sobe e desce constante, que permitiu aos marchantes a prática da sua actividade física dominical, sem grandes facilidades, mas de um equilíbrio doseado de forma muito satisfatória. 
Foi uma jornada plena de interesse, com um clima agradabilíssimo. 
Presentes autocarros de Albufeira, Lagos, Loulé (2), Monchique, Olhão, Portimão, Silves e Universidade do Algarve.
Fotos AQUI.

quarta-feira, 28 de novembro de 2018

FARO, PEGADAS À 4ª FEIRA - 28-11-2018


Qualquer caminho leva a toda a parte.
Qualquer ponto é o centro do infinito.
E por isso, qualquer que seja a arte
De ir ou ficar, do nosso corpo ou espírito,
Tudo é estático e morto. Só a ilusão
Tem passado e futuro, e nela erramos.
Não há estrada senão na sensação
É só através de nós que caminhamos.
(Fernando Pessoa)

Mais uma invenção do António Santos. Uma invenção sem produto final. O caminho estava lá. Faltava só passar por ali. Só?
Depois de Cristovão Colombo ter descoberto a América alguns questionaram-no se não achava que outro qualquer poderia ter realizado tal feito. Colombo, sem se aborrecer com a desfaçatez e inveja do questionador, pega num ovo e pede que algum dos presentes o ponha de pé. Todos tentaram e desistiram, dizendo que tal era impossível. Então Colombo bate com a extremidade do ovo na mesa, provocando-lhe uma pequena amolgadela, o que lhe permitiu colocar o ovo de pé. "Isso também nós fazíamos", respondem os invejosos. "E porque não o fizestes" respondeu Colombo.
Pois é, o caminho estava lá, com pequenas subidas e traiçoeiras poças de água, mas foi o António que o descobriu. 
O Fernando Pessoa nos versos acima fala em caminhos que levam a toda a parte, em ilusão e caminhos imaginários. Não se referia ao Pegadas certamente. Aqui não há ilusões, os caminhos têm destinos marcados. Fernando Pessoa terá razão quando diz que qualquer ponto é o centro do infinito. O Pegadas é também um centro do infinito. Onde quer que nos reunamos, estamos no centro do nosso universo e vivemos a nossa ilusão muito própria, a ilusão de quem gosta de correr e caminhar sem a preocupação que a lei da morte nos liberte. Quando o esquecimento chegar, o caminho levar-nos-á a toda a parte, em espírito, sem estrada nem caminho, com a recordação de uma vida bem vivida na companhia de tantos de que fazem parte os Pegadas, esses sim com passado e com futuro, sem ilusão.
No final desta corrida ouvimos opiniões muito favoráveis pela escolha de hoje. Tinha de tudo, até umas piscinas engraçadas para dar de beber às sapatilhas.
As fotos estão AQUI.

PRÓXIMA MARCHA DO CALENDÁRIO REGIONAL - BENSAFRIM - 2-12-2018

Organização - União de Freguesias de Bensafrim e Barão de S. João
Concentração - Parque Urbano de Bensafrim
Tipo de percurso - Campo
Hora de partida - 10H00
Contacto de email - jbensafrimbarao@mail.telepac.pt
Telefone - 282 687 169

segunda-feira, 26 de novembro de 2018

CORRIDAS À 6ª FEIRA - BENAFIM - 30-11-2018

Evento: 278º
Data: 30.11.2018
Local: Benafim
Grau dificuldade: MÉDIO
Ponto de encontro: Junto à sede do Sport Clube de Benafim
Latitude: 37°13'56.03"N
Longitude: 8° 7'14.29"W
Luz: é FUNDAMENTAL!!!!!!! (leia-se: obrigatório)
Colete refletor: é FUNDAMENTAL
Vai haver 2 percursos de 8km e 13km com grau de dificuldade MÉDIO em termos de acumulado de subida.
Os percursos vão estar sinalizados nos cruzamentos com fitas, placas, marcações no chão e coisas a brilhar. Desde que se preste atenção nesses locais, será fácil seguir o percurso correcto.
TODOS DEVEM LEVAR UM MEIO DE ILUMINAÇÃO (leia-se "obrigatório")
Praticamente todo o percurso se desenrola em zona não iluminada, por isso é FUNDAMENTAL que cada participante leve lanterna ou foco na cabeça.
CARROS E COLETES REFLECTORES:
Ambos os percursos passam ao longo de uma estrada que se prevê que tenha pouco ou nenhum trânsito. De qualquer forma, garantir a segurança nunca é demais. GARANTAM QUE SÃO VISTOS!
Ninguém irá caminhar ou correr sozinho. É garantia que ficará sempre alguém a acompanhar aquele(s) que forem mais lento(s). Repetimos, ninguém irá correr sozinho;
Este é um evento aberto a todos os que queiram fazer exercício físico num local e hora onde normalmente não se atreveriam a ir sozinhos. Por isso, nada de receios em enfrentar esta distância. Repito, ninguém irá correr sozinho;
Quem quiser é livre de trazer algo comestível ou bebível para partilhar e encerrar o evento em grande convívio;
Todas as sugestões são bem-vindas. Participem, divulguem e desfrutem destes eventos.
(Luís Santos)

domingo, 25 de novembro de 2018

MARCHA DE CARVOEIRO - 25-11-2018

Quem quer embebedar o olhar com uma paisagem de estarrecer não precisa de se deslocar a Santorini, ilha grega a milhares de quilómetros de distância. Basta percorrer escassos quilómetros e ancorar em Carvoeiro, a nossa Santorini. Ou será Santorini a Carvoeiro grega? Santorini, com as suas casas brancas salpicadas de azul, debruçadas sobre o mar, mas implantada em zona de vulcão e paisagem exterior em que predomina a cor escura, não se compara à nossa Carvoeiro, também com casario homenageando o mar, de cor predominando o branco, de costa recortada pela erosão das águas formando janelas de onde se pode apreciar as ondas que continuam a escavar aquelas rochas calcárias  delineando-as e embelezando o que já é belo. E a praia do Carvoeiro? Encaixada entre falésias que a protegem dos ventos, de areia clara, de uma beleza natural, que comove quando se olha do alto e em frente à Capela da Nossa Senhora da Encarnação, miradouro privilegiado onde apetece ficar horas cansando a vista de tanta beleza.
E a marcha de hoje submeteu-se ao que Carvoeiro tem de melhor. Proporcionou-nos uma visita às falésias percorrendo o passadiço, em boa hora construído em 2014, que nos levou da Capela até ao outro ex-libris da vila, o Algar Seco.
Foi lindo e até o tempo se curvou perante a vontade dos marchantes, lançando sobre eles uns alegres raios solares que aqueceram as almas e esconderam o pouco frio que se fazia sentir.
Curva-te Santorini, ergue-te Carvoeiro, tens tudo para não invejares ninguém. 
A realização da marcha cumpriu completamente os objectivos, com voluntários espalhados pelo percurso, algo diferente dos de anos anteriores, que ajudaram os mais de 700 marchantes a chegarem a bom porto.
Presentes autocarros de Albufeira, Alcoutim, Aljezur, Lagoa, Loulé (2), Olhão, Silves, S. Brás de Alportel, Tavira e Casa do Povo de Messines.
As fotos estão AQUI.

sábado, 24 de novembro de 2018

CORRIDAS À 6ª FEIRA - ILHA DE FARO/QUINTA DO LAGO - 23-11-2018

A brisa marítima da costa, o frio de 13º que se fazia sentir, o marulhar das ondas, o encanto de um dos mais belos lugares do Algarve, o passadiço, o paredão do Ludo, o campo de golfe, as salinas, tudo isto reunido numa só corrida. A brisa e a temperatura afastou alguns, a beleza do local aproximou outros. 
A facilidade e o conhecimento do percurso tornaram desnecessário qualquer marcação. A maré vazia convidava, a areia mole afastava. A alternativa do vai e vem convidava e quase todos o fizeram. Foi uma noite de auto gestão, o que também não é mau. O livre arbítrio como doutrina filosófica teve esta noite uma nova interpretação, a aliança entre a vontade, a escolha e a necessidade de exercício físico.
O Osvaldo, iniciando-se já nas lides, fez as honras da casa, como prenúncio do que aí vem em 2019, na ausência do fundador. Explicou as alternativas, ou areia mole, ou terra dura. Viva a liberdade. E foi bom para os 140 que decidiram pelas suas cabecinhas.
A Filomena, a simpatiquíssima Filó, fez anos e encerrámos com chave de ouro, isto é, comendo e bebendo indiferentes à brisa gélida, essa intrometida e penetra sem vergonha, que também quis festejar mas a que ninguém ligou. Ora toma!
As fotos estão AQUI.

quarta-feira, 21 de novembro de 2018

FARO, PEGADAS À 4ª FEIRA - 21-11-2018

No regresso à nossa "Sede Social", uma atitude periódica e benfazeja, não compatível com qualquer costume ou tradição, mas afirmativa da origem do grupo - a cidade de Faro. Algumas incursões pelos arredores, sempre desejadas por todos,  permitem-nos uma internacionalização inter-concelhia, já que o concelho vizinho de Loulé se inicia pouco depois da entrada no portão do Ludo e é invadido pacificamente, pelo Pegadas, com alguma periodicidade. Convém esclarecer os que não o sabem, que o concelho de Loulé quase nos "abarbata" a totalidade do Ludo e metade daquela que designamos Ilha de Faro. Quando por ali passarem reparem num marco, à direita do paredão e logo a seguir ao portão, limitador do concelho de Faro e iniciador do concelho de Loulé. 
Mas hoje fomos bairristas e só passámos em territórios farenses, num percurso quase totalmente urbano, abraçando a nossa cidade e circulando em seu redor, com passagem por um túnel de canas e uma ponte que ninguém conhecia com excepção do nosso Cristovão Colombo, o descobridor António Santos. O homem deve ter um ADN do Vasquinho da Gama ou do Pedrocas Alvares Cabral.
É bom este intervalar de praia, paredão, mata e Montenegro. As freguesias vizinhas são algo distantes e a marcação de percursos aí, poderiam ser desmotivadoras para um grupo que preza sobretudo (quando não há chouriças) a prática do exercício físico.
E, pronto, foi o regresso a "penates" e mais uma vez foi bom. E porque não haveria de ser?
As fotos estão AQUI.

terça-feira, 20 de novembro de 2018

PRÓXIMA MARCHA DO CALENDÁRIO REGIONAL - CARVOEIRO - 25-11-2018


Organização - Câmara Municipal de Lagoa
Concentração - Largo do Carvoeiro
Hora de partida - 10H00
A beleza da vila, a fabulosa praia, o encanto das arribas, o Algar Seco, o túnel da Boneca, a Ermida de Nossa Senhora da Encarnação, o moderno passadiço, são tudo motivos para tornar esta marcha uma das mais belas do calendário. 
Não faltaremos.


segunda-feira, 19 de novembro de 2018

CORRIDAS À 6ª FEIRA - PRAIA DE FARO - 23-11-2018

Evento: 277º

Data: 23.11.2018
Local: Ilha de Faro
Grau dificuldade: FÁCIL
Ponto de encontro: No estacionamento central da Ilha de Faro
Latitude: 37° 0'28.90"N
Longitude: 7°59'41.93"W
Luz: é FUNDAMENTAL!!!!!!! (leia-se: obrigatório)
Colete refletor: é FUNDAMENTAL
Vai haver 2 percursos de 7km e 10km, com grau de dificuldade FÁCIL em termos de acumulado de subida.
Os percursos NÃO VÃO estar sinalizados.
TODOS DEVEM LEVAR UM MEIO DE ILUMINAÇÃO (leia-se "obrigatório")
Praticamente todo o percurso se desenrola em zona não iluminada, por isso é FUNDAMENTAL que cada participante leve lanterna ou foco na cabeça.
CARROS E COLETES REFLECTORES:
Ambos os percursos passam em zonas onde pode haver algum trânsito. GARANTAM QUE SÃO VISTOS!
Ninguém irá caminhar ou correr sozinho. É garantia que ficará sempre alguém a acompanhar aquele(s) que forem mais lento(s). Repetimos, ninguém irá correr sozinho;
Este é um evento aberto a todos os que queiram fazer exercício físico num local e hora onde normalmente não se atreveriam a ir sozinhos. Por isso, nada de receios em enfrentar esta distância. Repito, ninguém irá correr sozinho;
Quem quiser é livre de trazer algo comestível ou bebível para partilhar e encerrar o evento em grande convívio;
Todas as sugestões são bem-vindas. Participem, divulguem e desfrutem destes eventos.
(Luís Santos)