segunda-feira, 29 de fevereiro de 2016

CORRIDAS À 6ª FEIRA - SILVES - 04-03-2016

Evento: 135º
Data: 04.03.2016
Local: Silves
Grau dificuldade: MÉDIO
Ponto de encontro: Junto às Piscinas Municipais (ver mapa)
Latitude: 37°11'6.43"N
Longitude: 8°26'35.37"W
Luz: é FUNDAMENTAL (leia-se: obrigatório)
Colete refletor: é FUNDAMENTAL (leia-se: obrigatório)
Piso: O percurso tem cerca de 40% alcatrão, 60% terra batida.
Trajecto no GPSies:
Vai haver apenas 1 percurso, de 10km, com grau de dificuldade MÉDIO em termos de acumulado de subida (cerca de 180m).
O percurso vai estar sinalizado com sticks reflectores ou placas. Desde que se preste atenção nesses locais, será fácil seguir o percurso correcto. Mas é FUNDAMENTAL levar luz, já que esta sinalização só é visível de noite se tiver uma luz a incidir para poder ser reflectida.
Aquilo que se solicita é que se formem vários grupos, em função dos andamentos, mas que TODOS corram ou caminhem sempre acompanhados. ISTO É FUNDAMENTAL!
TODOS DEVEM LEVAR UM MEIO DE ILUMINAÇÃO (leia-se "obrigatório")
Praticamente todo o percurso se desenrola em zona não iluminada, por isso é FUNDAMENTAL que cada participante leve lanterna ou foco na cabeça.
CARROS E COLETES REFLECTORES:
Os percursos passam em algumas zonas de estrada sem berma, mas com pouco ou nenhum trânsito. Mesmo assim é FUNDAMENTAL seguir no sentido contrário do trânsito e levar um colete reflector. Pensem na vossa segurança;
Este é um evento aberto a todos os que queiram fazer exercício físico num local e hora onde normalmente não se atreveriam a ir sozinhos. Por isso, nada de receios em enfrentar esta distância;
Quem quiser é livre de trazer algo comestível ou bebível para partilhar e encerrar o evento em grande convívio.
Todas as sugestões são bem-vindas. Participem, divulguem e desfrutem destes eventos.
(Luís Santos)

domingo, 28 de fevereiro de 2016

MARCHA DO BARÃO DE S.JOÃO - 28-02-2016

Estivemos no Pereiro, mas o nosso amigo Mário Gonçalves a prévio pedido nosso, foi até ao Barão de S. João e transmitiu-nos a informação que iremos dar de seguida. Apesar da chuva que benzeu os marchantes durante o aquecimento e a meio do percurso, parece que foi uma marcha bem organizada, com passagem pela Mata Nacional do Barão de S. João e por essa que já constitui um ex libris da localidade, a exposição de rua de dezenas de esculturas do Deodato. 
Presentes autocarros de Albufeira, Lagos, Aljezur, Faro, Silves, Monchique, Universidade do Algarve e Junta de Freguesia de Porches.
Ora vejam as fotos do Mário AQUI.

MARCHA DO PEREIRO - 28-02-2016

Num dia um pouco frio, muito ventoso, mas que não impediu os cerca de 400 marchantes de apreciaram as inebriantes paisagens do concelho de Alcoutim. Um percurso algo diferente dos anos anteriores, mas igualmente belo e cativante para os olhares mais atentos. A mistura da paisagem serrana, aos cheiros campestres, às flores das estevas em início de floração, aos campos pejados de flores de tremocilha, deram a esta marcha um cunho muito especial e uma satisfação justificada, apesar das dezenas de quilómetros que tivemos de percorrer. A organização foi muito satisfatória, marcações irrepreensíveis, recepção habitual com chá e bolos. Parabéns à organização da Câmara Municipal, na pessoa do sempre disponível Epifânio e à União de Freguesias de Alcoutim e Pereiro na pessoa do seu presidente o João Carlos da Silva Simões sempre presente no apoio inicial, durante a marcha e no final.
Presentes autocarros de Olhão, Tavira, S. Brás de Alportel e do concelho anfitrião, Alcoutim.
Or vejam as fotos AQUI.

sábado, 27 de fevereiro de 2016

CORRIDAS À 6ª FEIRA - CERRO DE S. MIGUEL - 26-02-2016

O ENCANTO DAS CORRIDAS À 6ª FEIRA
Na última 4ª feira, na ausência de tempo para uma confecção adequada do almoço, resolvemos dar um salto a um espaço onde o preço de um almoço justifica a preguiça de o fazer em casa. E foi nesse espaço, paraíso dos poupadinhos, dos preguiçosos ou dos muito ocupados, que ouvimos soar o nosso nome. Eram duas campeãs das Corridas à 6ª feira. E a mesa onde se encontravam abriu-se, de imediato, para nós. E por ali ficámos engolindo, que não degustando, o nosso económico almoço, perorando sobre o que nos une. O importante do repasto, em tão excelsa companhia, não era o sabor dos alimentos, o estado do tempo, o último orçamento de estado. O importante foi o desvio natural para assuntos semi-filosóficos da vida, do passado, das nossas profissões, mas também, e é o que nos interessa neste espaço, relacionados com o fenómeno das marchas no Algarve e em especial do Corridas à 6ª feira. O que leva tantos a percorrer tantos quilómetros a horas impróprias para subir, tal como hoje aconteceu, a um dos cerros mais altos do Algarve (e foram 203), com um frio de rachar e uma ameaça de chuva (e choveu mesmo), que tipo de pessoas são, qual a média etária dos frequentadores, que formação académica possuem. Debruçámo-nos, especialmente, sobre este último ponto. E chegámos a uma conclusão. Que éramos todos iguais, que todos desejávamos que chegasse a 6ª feira independentemente das previsões meteorológicas. Que no meio do nosso vasto pelotão não existem advogados, professores, engenheiros, bancários, pedreiros, sapateiros, donas de casa, empregados de escritório. Pois é, não chegámos a conclusão nenhuma, porque ali há seres humanos irmanados pela mesma finalidade, praticar exercício físico e conviver. Os "narizes empinados", os "importantões", os elementos das castas superiores, ficam em casa e não se misturam com os "loucos" das noites loucas. Problema deles, porque não sabem o que perdem e porque, do alto da sua enorme importância, não contactam os seus pares que por aqui andam, incógnitos, mas felizes. 
Hoje no cerro de S. Miguel fomos todos, mais uma vez, iguais, igualmente arfantes de cansaço, igualmente triunfantes daquele monstro, igualmente gelados, igualmente encharcados com a chuva que teimou em cair do meio da prova até ao final e que só poupou os aviões que em velocidade supersónica se anteciparam à sua queda. E nós, imitadores de fotógrafo, também fomos lá no alto (de Hyundai, claro), mãos congeladas, coração bem quente, ainda mais felizes por fotografar, que não o engenheiro, o advogado, o pedreiro, a dona de casa, mas sim o atleta que se supera, o homem ou a mulher que ri feliz, que convive com o companheiro do lado, que se solidariza com a dificuldade do percurso. É um grupo heterogéneo? Parece, mas não é. É homogéneo o mais possível. O resto é treta. 
Um agradecimento muito especial aos organizadores, os Pirilampos de Moncarapacho e ao Presidente da Junta, o Manuel Carlos, pela recepção, repasto final e preparação exemplar do percurso. 
Ora vejam as fotos no local habitual, AQUI.

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2016

ODE A UMA MARCHANTE

Para as nossas queridas amigas Ana e Natália, marchantes convictas, cabecinhas no lugar, inteligência acutilante. Onde nos encontrámos? Ao almoço, num local sem encanto, impessoal. O que comemos? Não recordo. Do que falámos? Reflexões sobre a vida, os sonhos, as realidades. Ficaríamos até ao jantar.
Ode a uma marchante
A Luísa é uma mulher escorreita, 60 anos, activa, geniquenta. Acorda de madrugada, noite cerrada. Luísa dorme sempre pouco, a cama é madrasta e as tarefas diárias não dão tréguas. Inicia ali o dia, banqueteando-se com um naco de pão duro, da última amassadura, com banha, que lhe dá energia para as primeiras tarefas do dia. Trata do porco, dá milho às galinhas, lava o resto da loiça acumulada da noite anterior e que o cansaço não a autorizou a terminar. Passa a vassoura no pátio, o espanador nos berloques do aparador. Apanha a roupa que ficou a secar debaixo do alpendre, não fosse o diabo de alguma bátega de água estragar-lhe a barrela do dia anterior. Entala três rodelas de chouriço entre duas fatias do pão caseiro que semanalmente fabrica. Será o almoço desse dia, empurrado pela água, que certamente não faltará. A laranja, se a houver, completará a opípara refeição.
São agora sete horas, o sol acorda, espreita Luísa, ao longe, no horizonte. Muitas madrugadas ensinaram-lhe a ler a hora solar. Sabe que o autocarro parte quando o sol aparecer por detrás da copa do chaparro, ao fundo, no quintal. Salpica a cara com água fria, mostra a água aos sovacos, passa o pente nos hirsutos cabelos, calça as sapatilhas adquiridas nos saldos, e que já conheceram muitos quilómetros, veste um fato de treino azul, desmaiado, de 5 anos. Olha-se ao espelho. O rosto, finalmente, resplandece. O marido, mandrião, dorme o sono dos preguiçosos, que não dos justos. Luísa abana a cabeça, triste, e abala, só, de encontro ao destino habitual dos domingos. Hoje será em Estombar, nas Fontes. A alegria transbordante do autocarro é o prenúncio de uma marcha onde a amizade, o entusiasmo, as gargalhadas, as anedotas, apagam a vil tristeza de uma semana acabada, e trazem forças novas para a labuta, sempre igual, da semana que amanhã começa. E o madraço … ficou em casa.

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

PEGADAS À 4ª FEIRA - 24-02-2016

O S. Pedro continua a respeitar o acordo firmado, em tempo, com as Pegadas. Começou a chover depois de todos terem completado o percurso. Como agora está na moda dizer-se "palavra dada, palavra honrada". Grande S. Pedro.
Ora vejam as fotos AQUI.

CORRIDA VERTICAL - 05-03-2016 - 20H00 - TORRE 20 EM QUARTEIRA

Depois do sucesso da primeira edição da “Corrida Vertical Aquashow”, Quarteira vai voltar a estar em destaque no desporto nacional com a realização da “Corrida Vertical Torre 20 Quarteira”, no próximo dia 5 de março, a partir das 20h00.

Este é um desafio inédito no plano desportivo nacional, a primeira corrida dentro de um edifício de habitação, a Torre 20 em Quarteira tem 20 andares, 70 metros de altura e 350 degraus.
A corrida será dividida em provas individuais de contra-relógio, nas categorias de masculinos e 
Cada atleta sobe uma vez as escadas, sendo que os dez primeiros classificados vão disputar a última e derradeira etapa que vai coroar o rei e a rainha da “Corrida Vertical Torre 20 Quarteira”.
A Corrida Vertical assume-se como uma nova modalidade desportiva que consiste em subir um 
determinado número de degraus no menor tempo possível. Enquanto prova de espetáculo, tem 
suscitado o interesse do público e dos media internacionais, sobretudo após a realização de provas em alguns dos arranha-céus mais famosos do mundo, como o Empire State Building em Nova Iorque ou o edifício Taipei na China.
Na primeira edição da “Corrida Vertical Aquashow 2015”, em solo português, a participação foi limitada a cinquenta inscrições. Desta vez, a prova é aberta a todos as pessoas interessadas em participar em novas experiências, neste caso, subir 20 andares a correr ou caminhar.
As inscrições são feitas em www.aaalgarve.org e Facebook: corrida vertical, com o valor de 15€ até ao dia 15 de fevereiro de 2016, aumentando para 18€ até dia 29 de fevereiro de 2016 . O Kit do Atleta contêm uma tshirt, uma entrada para o Aquashow Park, Barras Energéticas BEQ, Vouchers descontos Joca Sport's, Jantar no recinto da prova fornecido pelo Hotel Dom José.
E fica ainda habilitado a um sorteio de 100€ na Joca Sport´s.
Os Prémios: 
1º classificado masculino e feminino: uma semana para 2 pessoas nos alojamentos da Garvetur
2º classificado masculino e feminino: um aluguer de um automóvel de gama média na Visacar durante um fim de semana, 
3º classificado masculino e feminino:um cruzeiro para duas pessoas no Condor de Vilamoura.
Durante a noite da prova, a Torre 20 vai receber em grande festa todos os participantes e 
espetadores que têm a possibilidade de assistir á transmissão em direto da corrida dentro do edifício, através de écrans gigantes colocados no exterior e desfrutar da animação audiovisual com DJ durante de todo o evento.
A “Corrida Vertical Torre 20 Quarteira” é uma organização da Free Challenge, em co-organização 
com a Câmara Municipal de Loulé, no âmbito de “Loulé Compromisso com o Desporto” e o apoio da Freguesia de Quarteira.
Saudações Desportivas,
Marco Pereira

terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

CALENDÁRIO REGIONAL - JORNADA DUPLA - PEREIRO E BARÃO DE S. JOÃO - 28-02-2016


Mais uma jornada dupla motivada pela quantidade de candidaturas a este programa, que excedem as datas disponíveis, agravadas esta época pelas eleições legislativas e presidenciais que nos retiraram dois domingos. O IPDJ resolveu, e bem, não recusar qualquer candidatura e assim justifica-se a necessidade da realização de algumas jornadas duplas. No entanto houve a preocupação de colocar estas marchas em locais longínquos umas das outras. O próximo domingo com as marchas de Pereiro, no concelho de Alcoutim e Barão de S. João, no concelho de Lagos, são exemplos dessa política que consideramos correcta. 
Como não nos podemos desdobrar, optámos por visitar o Pereiro. Depois de algumas marchas no litoral, com cheiro a maresia, faz-nos bem um cheirinho campestre a estevas. Lá estaremos no Pereiro.
BARÃO DE S. JOÃO.
09h00 - Concentração e recepção dos participantes no Centro Cultural de Barão de S. João.
09h45 - Aquecimento
10h00 - Marcha Corrida
Tipo do Percurso - Serra
PERCURSO GRANDE - 8 Km
PERCURSO PEQUENO- 5 Km
Abastecimento sólidos e líquidos
Estacionamento junto ao local de concentração
Contactos e inscrições:
União de Freguesias
(ufbensafrimbarao@mail.telepac.pt)
282 687 169 / 282 687 598
PEREIRO
09h00 - Concentração e recepção dos participantes no Edifício da Junta de freguesia do Pereiro
09h45 - Aquecimento
10h00 - Marcha Corrida
Tipo do Percurso - Campo.
PERCURSO GRANDE - 9 Km
PERCURSO PEQUENO- 4,5 Km
Abastecimento sólidos e líquidos
Contactos e inscrições:
Câmara Municipal de Alcoutim
(desporto@cm-alcoutim.pt)
281 546 500 / 281 546 363

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2016

COOL RUNNERS - LOULÉ - 22-02-2016

Foi a nossa segunda visita a este grupo ainda em fase de gestação, mas com perspectivas de crescimento gradual e sólido. Hoje já se notou o aparecimento de caras novas que colmataram a ausência de alguns dos habituais presentes, ausentes por motivos de saúde. 
Ora vejam as fotos AQUI.

CERRO DE S. MIGUEL, MONCARAPACHO (5) - 26-02-2016 - 20H30

Evento: 134º
Data: 26.02.2016, 20H30
Local: Cerro São Miguel, Moncarapacho
Grau dificuldade: DIFÍCIL
Ponto de encontro: No parque de estacionamento entre o cemitério e o campo de futebol de Moncarapacho ou no local da Feira. Ao entrar em Moncarapacho pelo lado poente, logo a seguir à bomba de gasolina, virar na primeira à direita.  Latitude: 37° 4'54.44"N
Longitude: 7°47'19.98"W
Luz: é FUNDAMENTAL (leia-se: obrigatório)
Colete refletor: é FUNDAMENTAL (leia-se: obrigatório)
Piso: O percurso tem cerca de 70% alcatrão, 30% terra batida
Trajecto no GPSies:
12km
Vai haver apenas 1 percurso, de 12km, com grau de dificuldade DIFÍCIL em termos de acumulado de subida (cerca de 350m).
Os percursos vão estar sinalizados com sticks reflectores ou placas. Desde que se preste atenção nesses locais, será fácil seguir o percurso correcto. Mas é FUNDAMENTAL levar luz, já que esta sinalização só é visível de noite se tiver uma luz a incidir para poder ser reflectida.
Aquilo que se solicita é que se formem vários grupos, em função dos andamentos, mas que TODOS corram ou caminhem sempre acompanhados. ISTO É FUNDAMENTAL!
TODOS DEVEM LEVAR UM MEIO DE ILUMINAÇÃO (leia-se "obrigatório")
Praticamente todo o percurso se desenrola em zona não iluminada, por isso é FUNDAMENTAL que cada participante leve lanterna ou foco na cabeça.
CARROS E COLETES REFLECTORES:
Os percursos passam em algumas zonas de estrada sem berma, mas com pouco ou nenhum trânsito. Mesmo assim é FUNDAMENTAL seguir no sentido contrário do trânsito e levar um colete reflector. Pensem na vossa segurança;
Este é um evento aberto a todos os que queiram fazer exercício físico num local e hora onde normalmente não se atreveriam a ir sozinhos. Por isso, nada de receios em enfrentar esta distância;
Quem quiser é livre de trazer algo comestível ou bebível para partilhar e encerrar o evento em grande convívio;
Todas as sugestões são bem-vindas. Participem, divulguem e desfrutem destes eventos.
(Luís Santos)

domingo, 21 de fevereiro de 2016

MARCHA DE MONCARAPACHO - 21-02-2016


Mais uma excelente marcha do nosso calendário regional. No concelho de Olhão esta excelência já é recorrente e em Moncarapacho ainda mais, já que ali se junta a fome com a vontade de comer, isto é, a competência organizava do Helder Oliveira e a vocação atlética de um Presidente da Junta, o Manuel Carlos Teodoro de Sousa, vocacionado para este tipo de actividades, ele próprio um corredor de bom gabarito. E assim se realiza uma marcha perfeita, sem mácula e com um staff de voluntários de algumas dezenas de pessoas, entre as quais muitos elementos dos escuteiros. Os cerca de 900 corredores/marchantes regressaram aos seus lares certamente satisfeitos com o que lhes foi proporcionado. Um destaque muito especial para dois autocarros da Câmara Municipal de Mértola (um exemplo para muitas autarquias do Algarve que primam pela ausência) que ajudaram a compor o vistoso ramalhete, juntamente com os autocarro de Albufeira, Faro, Loulé(2), Vila do Bispo e Junta de Freguesia de Porches.
Ora vejam 203 fotografias AQUI.

sábado, 20 de fevereiro de 2016

CORRIDAS À 6ª FEIRA - BOLIQUEIME - 19-02-2016


Foi uma estreia. Foi. Um percurso desconhecido? Sim. Um percurso belíssimo?Sim. Uma organização fantástica? Sim. Uma recepção da Junta de Freguesia com chá, laranjas e bolos? Sim. Vontade de lá voltar? SIM, raios. Foram poucos os participantes? NÃO. Excederam todas as expectativas. ERAM 388. Como diria o saudoso Fernando Pessa: "E esta heim"?
Foi uma noite memorável. E mais não digo. Deixo para o Luís Santos os agradecimentos gerais. Da parte que nos toca, fica um agradecimento, muito especial, ao Manuel Felício que nos transportou, na sua 4X4, por caminhos que nunca imaginaríamos ser possível alguma vez passar um carro. Sem ele não poderíamos ter produzido as 362 fotos que podem ver AQUI.

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2016

FARO, PEGADAS À 4ª FEIRA - 17-02-2016

Oitenta corredores/marchantes hoje, apesar da noite gélida que se fazia sentir. Já é um lugar comum dizer que o grupo está bem e recomenda-se. Hoje fizemos o percurso Montenegro/aeroporto. Umas gotinhas de chuva na parte final vieram arrefecer os calores do pessoal, que não os ânimos. Esta gente valorosa, certamente que, durante o período Jurássico, desculpem, período do sofá, nunca imaginariam correr com a chuva a cair-lhe em cima. Pois agora até brincam e gozam com esse molhado acontecimento. Gente forte sem dúvida. Obrigado aos dois Cool Runners de Loulé que nos visitaram hoje. São sempre bem vindos e é muito agradável ver o intercâmbio entre grupos. Assim se constrói a amizade e se trocam experiências. E foi mais uma organização cuidada do insubstituível António Santos.
Ora vejam as fotos AQUI.

UMA HISTÓRIA VERÍDICA NO CONCELHO DE SILVES

No passado domingo fomos até Silves e essa visita fez-nos recordar uma crónica do jornal "O Algarve", cuja acção teve lugar na serra de Silves. Isto aconteceu mesmo (nos anos 90):
Uma história real na Serra de Silves

Silves é um concelho com história e com locais de visita de extraordinário interesse. Há vestígios da presença humana desde a Pré-História, da ocupação romana e muçulmana.
Foi em 1189 que se pensa ter sido efectuada a conquista cristã protagonizada pelo nosso rei D. Sancho I. Parece ter sido, contudo D. Afonso III, depois de umas batalhas à moda daqueles tempos (ora agora conquistas tu, ora agora conquisto eu) que definitivamente se instala no concelho de Silves e também em todo o Algarve, banindo definitivamente os muçulmanos. Ainda hoje os árabes reivindicam estas terras como deles e, patriotismos à parte, até é um assunto que merece discussão aprofundada.
Mas a razão desta pseudo-historieta não é contar a história do concelho de Silves (há pessoas mais abalizadas para o fazer), mas sim a história de outras “guerras” com outros protagonistas.
Muitos ainda se lembrarão de uma belíssima marcha realizada em plena serra a norte da barragem do Arade. Os marchantes calcorreavam aqueles montes, vencendo os obstáculos naturais com maior ou menor esforço, mas sempre com a habitual alegria, empurrados pela bucólica paisagem, pelo cheiro das estevas, pelo ar puro e pelo chilrear da passarada (um pouco de poesia não fica nada mal nestas coisas). E até a imagem típica do apicultor ao lado do nosso trajecto, retirando o mel das suas colmeias, completava um quadro motivador à superação do cansaço. 
As abelhas esvoaçavam ao nosso redor, parecendo que nos saudavam pela nossa chegada, como que pedindo ajuda contra o “ladrão” que lhes roubava o mel.
Um dos marchantes, que seguia na frente da coluna, incomodado com o zumbido resolveu agitar os braços para afastar as abelhas.
É sabido que, por altura da colheita do mel, as abelhas andam “assim a modos que nervosas” porque estão a ver o seu laborioso trabalho de colheita em mil flores, para posterior transformação industrial, a ser roubado sem qualquer pagamento e sem terem recebido, sequer, o ordenado mínimo. 
Também é conhecida a solidariedade das abelhas, a sua unidade na defesa da colmeia e das colegas e, perante a desfaçatez do ataque inopinado do marchante, o enxame, já “picado” pelo apicultor, à semelhança do nosso antepassado Afonso III e, utilizando a conhecida táctica militar “todos ao molhe”, resolve atacar a coluna de 500 marchantes.
A derrota foi total e aviltante. Dos marchantes, claro.
A retirada foi mais espectacular que a fuga dos castelhanos à frente de D. Nuno Álvares Pereira na batalha de Aljubarrota.
A infantaria corria, desordenadamente, debaixo dos voos picados da aviação inimiga. Os Kamikases ferroavam em tudo o que mexia apontando às cabeças, aos braços e às pernas. 
Ainda recordo a imagem do meu amigo Jesuíno a despir a camisola para que eu lhe sacudisse uma “apis mellifera” atrevida que lhe tinha (salvo seja e com todo o respeito e simpatia) saltado para as costas enquanto o exército derrotado ao primeiro ataque fugia desordenadamente, tropeçando, caindo, atropelando.
Como diria Camões no canto IX dos Lusíadas: “melhor é experimentá-lo que julgá-lo, mas julgue-o quem não pode experimentá-lo” (referia-se a outros carnavais, mas uma citação fica sempre bem).
No final da batalha só restava contar as baixas, lamber as feridas, inventariar os destroços, esconder o orgulho ferido, mal disfarçado perante os joelhos ensanguentados, as mãos esfoladas, as camisolas rasgadas, os óculos partidos e, claro, os milhares de babas nas preciosas cútis de quase todos os invasores. 
O que os muçulmanos não conseguiram, conseguiu um vulgar enxame de abelhas: a reconquista, não de todo o Algarve, mas de uma nesga de território no concelho de Silves.
Ainda hoje tenho receio de ali passar, não vá alguma abelha vitoriosa reconhecer um inimigo do passado e fazer-me prisioneiro.
(Jorge Lopes)

terça-feira, 16 de fevereiro de 2016

PRÓXIMA MARCHA DO CALENDÁRIO REGIONAL - MONCARAPACHO - 21-02-2016


A 20.ª JORNADA realiza-se no dia 21 de fevereiro em Moncarapacho.

-09h00 - Concentração e recepção dos participantes no Largo do mercado mensal de Moncarapacho (junto ao Campo de Futebol)
-09h45 - Aquecimento
-10h00 - Marcha Corrida
-Tipo do percurso - campo/urbano (90% em caminhos e trilhos de terra batida)
-PERCURSO GRANDE - 9 Km
-PERCURSO PEQUENO- 6 Km
-Abastecimento sólidos e líquidos
-Contactos e inscrições:
UNIÃO DE FREGUESIAS MONCARAPACHO E FUSETA
(manuelcarlos@uf-moncarapacho-fuseta.pt)
289 792 375

Relembramos a importância da inscrição prévia na atividade a fim de colaborar com as organizações locais no que concerne ao seguro, planeamento das marchas e diminuição do fluxo de inscrições no próprio dia dos eventos.
Até Domingo

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2016

CORRIDAS À 6ª FEIRA - BOLIQUEIME - 19-02-2016



Evento: 133º
Data: 19.02.2016 
Local: Boliqueime
Grau dificuldade: MÉDIO 
Ponto de encontro: No largo da Igreja Matriz de Boliqueime 
Latitude: 37° 7'59.56"N 
Longitude: 8° 9'32.97"W 
Luz: é FUNDAMENTAL (leia-se: obrigatório) 
Colete refletor: é FUNDAMENTAL 
Vai haver 2 percursos, de 13km e 9km, com grau de dificuldade MÉDIO em termos de acumulado de subida. 
Os percursos VÃO ESTAR sinalizados nos cruzamentos com placas ou sticks reflectores. Mesmo assim é importante que veja o percurso nos links acima indicados e que coloque todas as dúvidas que tenha com a devida antecedência. 
TODOS DEVEM LEVAR UM MEIO DE ILUMINAÇÃO (leia-se "obrigatório") 
Grande parte do percurso desenrola-se em zona não iluminada, por isso é FUNDAMENTAL que cada participante leve lanterna ou foco na cabeça. 
CARROS E COLETES REFLECTORES: 
Os percursos passam em zonas de estrada sem trânsito, pelo que o uso do colete reflector é dispensável; 
Ninguém irá caminhar ou correr sozinho. É garantia que ficará sempre alguém a acompanhar aquele(s) que forem mais lento(s). Repetimos, ninguém irá correr sozinho; 
Este é um evento aberto a todos os que queiram fazer exercício físico num local e hora onde normalmente não se atreveriam a ir sozinhos. Por isso, nada de receios em enfrentar esta distância. Repito, ninguém irá correr sozinho; 
Quem quiser é livre de trazer algo comestível ou bebível para partilhar e encerrar o evento em grande convívio; 
Todas as sugestões são bem-vindas. Participem, divulguem e desfrutem destes eventos. 
(Luís Santos)

DEFINIÇÕES GENIAIS

Estatuto: é comprar uma coisa que você não quer, com um dinheiro que você não tem, para mostrar para as pessoas de que você não gosta, uma pessoa que você não é.

Sexo: é aquilo que quando é bom é óptimo. Mas mesmo quando é ruim ainda é muito bom. 
Casamento: é uma tragédia em dois actos: civil e religioso. 
Amor: é aquilo que começa com um príncipe beijando um anjo e acaba com um careca olhando para uma gorda. 
Indigestão: é uma criação de Deus para impor uma certa moralidade ao estômago. 
Advogado: é o sujeito que salva os vossos bens dos inimigos, e os guarda para si.
Chefe: é aquele que vem cedo quando você vem tarde e tarde quando você vem cedo.

domingo, 14 de fevereiro de 2016

MARCHA DE SILVES - MARCHA DOS NAMORADOS - 14-02-2016


A já tradicional marcha dos namorados, em Silves, decorreu, mais uma vez, de forma exemplar. Organização impecável num esforço louvável de fazer bem. E conseguiram apesar da ameaça, nas horas anteriores, de ventos e chuvas fortes. Durante a marcha por períodos intermitentes fomos brindados com aquela chuvinha "molha tolos", mas como os nossos marchantes não são tolos ninguém lhe ligou. Esta marcha tem a característica de "navegarmos" quase sempre com o castelo à vista o que é muito agradável. Foram cerca de 750 as presenças o que é extraordinário dada a ameaça de mau tempo que se esperava mas que não aconteceu. No final e no interior da Fissul, tivemos a oportunidade de visitar alguns stands com produtos da região (as fotos são ilustrativas disso) e assistir a um actuação de um rancho folclórico. É sempre de louvar a ligação que as autarquias fazem com este tipo de eventos e as nossas marchas. As marchas são um excelente veículo de auxílio à economia local e esse aproveitamento é muito bem vindo certamente.
Estiveram presentes autocarros de Albufeira, Aljezur, Alcoutim, Faro, Lagos e Monchique.
Vejam as fotos AQUI.

sábado, 13 de fevereiro de 2016

A ARCA DE NOÉ REVISITADA

ameaça de chuva de ontem, que desmobilizou alguns,  trouxe-nos à memória uma crónica publicada no extinto jornal "O Algarve", num passado longínquo e depois de uma enorme chuvada acompanhada de gigantesca trovoada que deixou os corredores/marchantes feitos "num oito" e que é agora oportuno recordar: 
A ARCA DE NOÉ REVISITADA
Em tempos muito remotos o mundo, tal como  hoje, era um coito de gentinha criminosa e corrupta. Deus decide, depois de muito matutar e auscultar os seus conselheiros, libertar o mundo dessa camarilha, poupando somente o único homem bom que o habitava : Noé.
Ordena-lhe, em segredo, que construa uma gigantesca Arca,  que albergue nela toda a sua família, e um casal de cada espécie animal existente na Terra.
Deus, então, abre as torneiras do céu e inunda toda a Terra, afogando todo o ser vivo que não teve a sorte de ser seleccionado como passageiro da Arca. Enfim, uma discriminação muito criticada pelos partidos políticos da oposição, sempre no contra, cujos líderes, devido a uma fuga de informação, muito habitual naqueles tempos, tiveram conhecimento, em tempo, do que se preparava e se refugiaram, quais ratazanas, clandestinamente, no esconso porão da Arca. Tal  como hoje, os chefes salvam a pele e o povinho é que se trama.
Depois de meses de navegação errática (com tanta chuva o GPS avariou), a Arca encalhou em solo firme. E os sobreviventes deram origem aos povos que hoje conhecemos. A família de Noé reproduziu-se e hoje constituem o limitado nicho de população honesta, pura, sem mácula. São poucos, mas resistentes à luxúria que os cerca. Os outros, os clandestinos da Arca, deram origem à malandragem que pulula por todo o lado. São os actuais corruptos, criminosos e devassos.
Foi uma primeira tentativa falhada e ingénua de Deus, nessa sua intenção de limpar a corrupção que grassava no mundo.
Recentemente tivemos acesso ao Facebook do Arcanjo Gabriel (pertence ao nosso grupo de amigos) onde se especulava sobre o novo plano de limpeza que está a ser congeminado por Deus: um novo dilúvio. Segundo Gabriel, Deus reuniu com o seu conselho de estado, e há uma fortíssima corrente de opinião a favor do extermínio da actual, corrupta, humanidade. Os únicos conselheiros contra tal desiderato são a Madre Teresa de Calcutá e João Paulo II, de enorme bondade, muito próximos de Deus, e com muita influência nas suas decisões. No entanto, um grupo da oposição, muito coeso exige uma actuação rápida. Hitler aconselha o uso de gás letal. Nero, antigo imperador romano, propõe que se atei fogo a todo o planeta, transformando os seres humanos em feéricas tochas. Sabe-se que encomendou uma harpa através do conhecido “site” www.harpasdodemo.com, e está a compor um salmo, para entoar enquanto o incêndio perdurar. Judas, apesar da sua pouca influência junto de Deus, sugere o extermínio total, mas, sempre materialista, exige a preservação de todas as riquezas existentes.
Perante estas opiniões tão antagónicas, Deus está dividido. Infinitamente bom, não quer desgostar ninguém. E resolve, depois de muito meditar, e de muitas pesquisas na net, reeditar uma segunda versão do dilúvio universal, a aplicar em data a combinar. E resolve, contentando todos, testar os efeitos, na humanidade, de mini dilúvios em zonas previamente seleccionadas.
Uma dessas experiências decorreu na zona de Conceição e Cabanas, no concelho de Tavira, às 10 horas da manhã do dia 8 de Dezembro, e coincidiu com a marcha programada para esse dia, apanhando desprevenidos alguns de nós, heróicos marchantes.
A experiência divina foi um sucesso estrondoso, e um extraordinário ensaio para o apoteótico dilúvio final. Os relâmpagos, os trovões, sucediam-se para gáudio de Nero, o cheiro a enxofre contentava Hitler. A água jorrava em catadupa. As ruas de Cabanas transformadas em caudaloso rio, desapareceram. Os marchantes, indómitos, enfrentavam corajosamente a formidável experiência de Deus. A água subia pelos artelhos, pela canela, até aos joelhos, enquanto o fogo crepitava sobre as suas cabeças. A harpa de Nero ressoava nos seus fustigados ouvidos. O João Carmo, o Zé Maria, o Tinoco, o Pacheco, quais ciclopes, arrostavam com os ventos, as águas, o fogo.
 E aos 30 minutos Deus descansou. A experiência tinha sido um sucesso. Hitler e Nero salivavam na expectativa do dia do juízo final, que anseiam cada vez mais perto. Madre Teresa e João Paulo, aliviados, agradeciam a contenção divina.
E nós, marchantes, no âmago da acção, protagonistas da experiência, ficámos com uma história para contar. E logo ali, os sobreviventes do apocalipse, constituíram-se em grupo de pressão e de apoio massivo em futuras eleições, ao PSH (Partido da Salvação da Humanidade) da Teresa e João Paulo, contra o PDH (Partido da Destruição da Humanidade) de Hitler e Nero. Juntem-se a nós e votemos em massa na preservação da espécie humana e manifestemo-nos domingo a domingo, nas nossas marchas, contra este tipo de experiências divinas. Marchantes unidos, jamais serão vencidos!

Jorge Lopes

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2016

CORRIDAS À 6ª FEIRA - GAMBELAS/LUDO - 12-02-2016

Ameaça de chuva? Jogo do Benfica/Porto? Pois apesar destes dois obstáculos, maiores que o próprio evento, foram 242 os presentes. Ora toma! E mais não digo. Vejam as fotos e torçam o nariz por ficarem em casa por causa da chuva ou do Benfica. É que não choveu e o Benfica perdeu.

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016

PEGADAS À 4ª FEIRA - 10-02-2016

Em dia de aniversário do António Santos, o homem que agarrou com ambas as mãos este grupo e fez dele o que é hoje, compareceram cerca de 90 corredores/marchantes, que apesar da ameaça de chuva não quiseram deixar de homenagear o "grande líder", não o Kim Jong-un, mas o nosso, muito mais simpático, nada ditador e sem aquela cara de parvo que o Kim tem. Correu-se, marchou-se e no final confraternizou-se, devorando um enorme bolo de 6 quilos. E o Santos levou para casa uma camisola com uns versos nas costas, uma lanterna para que não se perca nos esconsos caminhos das corridas nocturnas e um postal com o nome dos discípulos. Tudo abençoado por uns borrifos de chuva que vieram testemunhar o acto e dar-lhe um brilho especial de que o Santos é inteiramente merecedor. Amém.
Ora vejam as fotos AQUI.

PRÓXIMA MARCHA DO CALENDÁRIO REGIONAL - SILVES - 14-02-2016

"A Câmara Municipal de Silves, através do seu sector de Desporto, irá promover no próximo dia 14 de fevereiro, pelas 10h00, mais uma Marcha dos Namorados. A iniciativa tem como local de concentração a FISSUL.
De acordo com a sua condição física, os participantes poderão optar por um de dois percursos apresentados: um de 4,5 km, com grau de dificuldade médio/baixo, totalmente urbano, e outro de 9 km, com grau de dificuldade médio/alto, a realizar em zona urbana e serra.
As inscrições estão abertas devendo ser efetuadas online aqui, junto do sector de Desporto da CMS (localizado no complexo das Piscinas Municipais de Silves), através do telefone 282 440 270, do endereço de correio eletrónico desporto@cm-silves.pt ou no próprio dia, no local, até meia hora antes do início da atividade.
A Marcha dos Namorados conta com a parceria do IPDJ – Instituto Português do Desporto e Juventude, Programa Nacional de Marcha e Corrida e Plano Nacional de Ética no Desporto e com o apoio das Frutas Martinho, Bombeiros Voluntários de Silves, GNR, Farmácia João de Deus, Xelb Land, LARA – Laranja do Algarve SA, Juntas de Freguesia de Silves, Armação de Pêra, SB Messines e S. Marcos da Serra e Uniões de Freguesia de Algoz e Tunes e de Alcantarilha e Pêra.
De referir que a iniciativa integra o calendário regional de marcha-corrida do Algarve do IPDJ, projeto desenvolvido no âmbito do Programa Nacional de Marcha e Corrida e que visa a promoção da atividade física junto de toda a população através da realização de um conjunto de atividades marcha-corrida que têm lugar todos os fins-de-semana, de setembro a junho, por toda a região algarvia".
(Retirado do site da Câmara Municipal de Silves).

terça-feira, 9 de fevereiro de 2016

MEXE-TE MÓ NO CARNAVAL DE OLHÃO E MONCARAPACHO - 09-02-2106

É um avião? É um pássaro? É o Superman? NÃO. É o "Mexe-te Mó". 
Pois é, estes meninos resolveram visitar, neste último dia, antes das restrições da Quaresma, os carnavais de Loulé e Moncarapacho. E nós fomos com eles. E o que vimos surpreendeu-nos? Não, visto já conhecermos a vitalidade, a disponibilidade anímica e a alegria deste grupo, que é um caso sério de coerência e constância de postura, ao longo de todos os eventos onde marcam a sua presença. A liderança consentida e aceite naturalmente, do Helder Oliveira, um "show man" fantástico, impõe-se sem alardes ou quaisquer laivos de arrogância. A abertura que demonstram em bem receber todos os que os visitam, a forma como fazem sentir em casa os não residentes, tornam este grupo um dos mais abertos, amigos e solidários de todo o Algarve. Da nossa parte sentimos que estar com os Mózinhos é como se estivéssemos em casa.
Hoje vimos em Loulé a intensa alegria do grupo que rompeu com o "dejá vu" de um carnaval industrializado e que carece urgentemente de ser repensado ou reformulado, de forma a aproximá-lo das raízes populares da sua criação. Vimos um grupo que, depois de autorizado, ocupou por minutos um carro sem tripulantes e ali em cima fez a sua festa para gáudio de quem assistia. Vimos um grupo que interagia com a assistência, com os grupos que desfilavam, que eram fotografados e entrevistados pelas TVs. Vimos em Moncarapacho o grupo confraternizar em cima do Carro dos Minions (máscaras que também utilizaram). Em suma vimos gente respeitadora, educada, saudavelmente louca. E gostámos de lhes fazer companhia.
Vejam as fotos AQUI.

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2016

CORRIDAS À 6ª FEIRA - GAMBELAS/LUDO - 12-02-2016 - 20H30


Evento: 132º

Data: 12.02.2016
Local: Universidade Gambelas, Faro
Grau dificuldade: FÁCIL
Ponto de encontro: Em frente da entrada principal da Universidade do Algarve, pólo das Gambela, Faro (ver foto)
Latitude: 37° 2'32.45"N
Longitude: 7°58'15.93"W
Luz: é FUNDAMENTAL (leia-se: obrigatório)


Colete refletor: é ACONSELHÁVEL.
Vai haver 2 percursos, de 13km e 10km, com grau de dificuldade FÁCIL em termos de acumulado de subida..
Os percursos NÃO VÃO ESTAR sinalizados na maior parte da sua extensão.  
TODOS DEVEM LEVAR UM MEIO DE ILUMINAÇÃO (leia-se "obrigatório")
Grande parte do percurso desenrola-se em zona não iluminada, por isso é FUNDAMENTAL que cada participante leve lanterna ou foco na cabeça.
CARROS E COLETES REFLECTORES:
Os percursos passam em algumas zonas de estrada sem berma, com algum trânsito. É por isso FUNDAMENTAL seguir no sentido contrário do trânsito e levar um colete reflector. Pensem na vossa segurança;
Ninguém irá caminhar ou correr sozinho. É garantia que ficará sempre alguém a acompanhar aquele(s) que forem mais lento(s). Repetimos, ninguém irá correr sozinho;
Este é um evento aberto a todos os que queiram fazer exercício físico num local e hora onde normalmente não se atreveriam a ir sozinhos. Por isso, nada de receios em enfrentar esta distância. Repito, ninguém irá correr sozinho;
Quem quiser é livre de trazer algo comestível ou bebível para partilhar e encerrar o evento em grande convívio;
Todas as sugestões são bem-vindas. Participem, divulguem e desfrutem destes eventos.
(Luís Santos)

domingo, 7 de fevereiro de 2016

MARCHA DE ALPORTEL - 07-02-2016

Em anos anteriores a marcha do domingo de carnaval, que se tem realizado sempre no concelho de S. Brás de Alportel, tinha um número de marchantes muito abaixo da média das outras marchas. Pois desta vez não foi isso que aconteceu. Surpreendeu o elevado numero de participantes, cerca de 700, o que vem provar, mais uma vez, que o Algarve mexe por todo o lado e que este tipo de eventos cada vez está mais solidificado e que já nem os festejos carnavalescos impedem as pessoas de estarem presentes. A organização foi impecável, com todos os ingredientes que tornam qualquer marcha perfeita. Faltou claro a pantomina habitual do Pedro (não te perdoo Pedro), mas tal não impediu um excelente e belíssimo percurso na marcha maior, com passagem por locais de suprema beleza e, como dizia o Helder Oliveira no final, de um verde estonteante e de cheiro inebriante a estevas (eram estevas Helder?). Abastecimento habitual, de águas e laranjas, na separação dos dois percursos e um chá quente e sandes no final para retemperar energias. 
Presentes autocarros de Albufeira, Faro, Loulé (2), Universidade do Algarve e Junta de Freguesia de Porches.
Vejam as fotos (185) no local habitual AQUI.

sábado, 6 de fevereiro de 2016

MARCHA NOCTURNA CARNAVAL DE LOULÉ/CORRIDAS À 6ª FEIRA - 05-02-2016

Oh, que famintos beijos na floresta
E que famoso choro que soava!
Que afagos tão suaves! que ira honesta
Que em risinhos alegres se tornava!
O que mais passam na manhã e na sesta,
Que Venus com prazeres inflamava,
Melhor é experimentá-lo que julgá-lo,
Mas julgue-o quem não pode experimentá-lo
(Luís de Camões, Lusíadas, canto IX)
Esta noite não estivemos na ilha dos amores, não fomos marinheiros a quem as ninfas receberam com carinhos, depois de viagem longa, não recebemos famintos beijos na floresta, mas estivemos lá, em Loulé, e "melhor foi experimentá-lo que julgá-lo, mas julgue-o quem não pode experimentá-lo". Quem lá não esteve só pode julgar, mas por bem que julgue, nunca saberá como foi. Foram 652 alminhas, na sua maioria mascaradas de fatiotas exuberantes, carregadas de cor e imaginação, que se deslocaram até à Cerca do Convento, se divertiram e correram, ou marcharam, pelas ruas da cidade de Loulé. E até houve concurso de máscaras, cujo 1º prémio foi arrebatado pelos Mexe-te Mó, de Olhão que, com a sua já tradicional alegria, marcam superiormente qualquer evento a que se deslocam.
Ora julguem ou revivam o que se passou, em 460 fotos, AQUI.

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2016

JOSÉ MARIA - O QUERUBIM MARCHANTE

O antigo IDP mantinha uma página semanal, no jornal "O Algarve", em que eram publicitadas as marchas do Calendário Regional do Programa Nacional de Marcha Corrida. Essa página continha uma rubrica denominada "Galeria dos notáveis figurões" onde, de forma séria ou jocosa, mas sempre respeitadora, se escrevia sobre alguns dos nossos marchantes. Cabe aqui hoje, no dia a seguir ao 86º aniversário do nosso amigo José Maria e depois de ele ter sofrido uma queda de que resultou um corte na testa, que provocou uma visita a esse lugar onde nenhum de nós gosta de ir, o hospital, recordar uma crónica, no referido jornal, quando o nosso amigo ainda tinha 79 anos. Denominava-se "O querubim marchante" e é essa a nossa homenagem ao grande homem e atleta JOSÉ MARIA com os votos de rápidas melhoras:
"O querubim é um ser bíblico, sobrenatural. O querubim, ser alado, angelical, frequentador ilógico da nossa imaginação, não pertence a este mundo. Tal como na sociedade em que vivemos também no céu há castas, ocupando o querubim, na hierarquia celeste, um lugar imediatamente abaixo do serafim e acima do arcanjo. Esta breve explicação, um pouco esotérica, permite-nos apresentar o marchante que, no nosso pelotão, mais se assemelha a um querubim. O seu aspecto diáfano e etéreo, simultaneamente alegre e folgazão, insinua no nosso subconsciente um efeito subliminar, deixando-nos o doce travo de um conhecimento antigo. E, com esforço, apelando ao mais recôndito da nossa memória, recordar-nos-emos dessa imagem bíblica, em tempos vislumbrada nalguma leitura mais mística, retratando nele um desses seres fantásticos e angélicos. Falta-lhe as asas, é certo, mas sobra-lhe o ar seráfico, o sorriso bondoso, constante, a alegria contagiante, a simpatia natural e a ... fita, ah! aquela fita que lhe rodeia a cabeça, qual auréola angelical, disciplinando-lhe os alvos cabelos que ainda embelezam, em quantidade apreciável, o seu celestial escalpe.
Homem fisicamente apto para a superação de qualquer obstáculo, arranca sempre na cabeça da marcha. Imprime um ritmo estonteante, provocando, logo na partida, um estiramento na extensa coluna que o precede. Quem quiser falar com ele, tem de aproveitar o antes ou o depois, porque durante a caminhada ele não está visível. Já lá foi, já desapareceu na primeira curva do caminho, deixando, como sinais da sua meteórica passagem, não "os traços miniaturais duns pezitos de criança", como diria Augusto Gil, mas as marcas, bem visíveis, das suas sapatilhas, impressas na poeira do caminho, marcas firmes, poderosas, que não sugerem dificuldades no vencimento das distâncias.
E quando chove? Quando a fúria dos elementos se encarniçam contra os marchantes? O nosso atlético querubim, sempre de calções e tshirt, sem qualquer protecção, indiferente ao frio e às intempéries, transfigura-se numa simbiose entre Eolo, o deus dos ventos, e Vulcano, o deus do fogo. "Cesse tudo o que a antigo musa canta, que outro valor mais alto se levanta", diria Camões, se colocado na presença do nosso herói. E a nós, mortais comuns, só nos resta a incrível sensação, de que ele passa através da chuva sem se molhar, que os ventos se desviam, temerosos, e que dele emana o poder de fazer chover, o poder de domesticar relâmpagos e trovões.
O Zé Maria tem a idade certa dos homens de idade incerta.
O Zé Maria, essa mágica força da natureza, tem 79 anos.
(Jorge Lopes)